Por que eu escuto…U2!

u2 porque eu escutoHoje é uma data especial para quem é fã do U2, afinal de contas, é o aniversário do Bono! Paul David Hewson ( sim, se você não é fã, não estranhe, esse é o verdadeiro nome dele) nasceu em Dublin, Irlanda, em 10 de maio de 1960 e, com cerca de 15 anos de idade, conheceu na escola os outros 3 caras com quem formaria uma das maiores bandas de rock da história, o U2.

Particularmente, Bono é um dos meus ídolos. Não preciso nem falar da qualidade vocal bono rebolandodele e de sua performance como artista; ele está entre os melhores, e ponto. Além de excelente cantor e frontman, ele é um letrista genial, culto, conhecedor da Bíblia, pessoa preocupada com os outros, ativista em prol de diversas causas humanitárias… sei que é justamente esse lado benfeitor dele que faz com que haja tantas pessoas que não o suportam. A verdade é que é impossível você se manter sem um posicionamento se o assunto é o líder do U2.

Aproveitando o ensejo da data, decidi retomar essa pequena série que tinha começado aqui no blog: Por que eu escuto… eu amo tanto U2 que quem me conhece sabe há séculos: é a banda da minha vida.

Eu gosto de muitas bandas, mas esta é especial. Sabe, vai além do gosto musical em si. U2 bono macphistome acompanha desde o fim da minha adolescência, início da vida adulta. Lembra-me momentos marcantes da minha vida, outros extremamente pessoais. Há algo na sonoridade moldada por Larry, Adam e Edge, arrematada pela voz do Bono, que me tira deste plano e me coloca em outro.

Lembro que sempre que estou triste ou doente, sentindo-me fragilizada, gosto de ouvir One. Quando estou me sentindo meio perdida, preciso ouvir I still haven’t found what I’m loking for. E Stay ( Far away…so close) mexe com minha alma. Starring at the sun já me tirou de uma tristeza grande, e sempre que escuto Stuck in a moment you can’t get out of, eu respiro fundo e digo pra mim mesma: você consegue. Não consigo ficar parada se escutar Mysterious Ways e sou dessas que canta gritando With or without you. A maioria das músicas da banda tem significado interno e pessoal para mim, como In God’s Country, porque me lembra meu tio preferido, e outras são porque eu simplesmente adoro mesmo, como The Fly ou Elevation. Há músicas que especificamente me deixam mais pensativa, como Momento of surrender ou The Troubles, e aquelas que acendem doçura dentro de mim, como Grace e In a little while.

bono one

Enfim. Difícil definir, difícil descrever a razão de eu gostar tanto desta banda. É por um conjunto de fatores que vão além do musical; é pela sinceridade das canções, pelo universalismo, pela perspicácia das letras… é pela amizade genuína dos integrantes, por ter sido e ainda ser quase todos os dias a trilha perfeita para praticamente todo momento da minha vida ( tipo, quando do nada na minha playlist, com os fones cravados no ouvido, eu escuto Beaultiful day e eu sei que as coisas só precisam ser olhadas por outro ângulo para melhorar). Sei que o Bono e os outros não lerão isso rrsrsr, mas eu queria agradecer de verdade ao U2 por me acompanhar. Algumas das minhas apresentações feitas pelo U2 favoritas:

Anúncios

Tag: Meu gosto Musical!

Oi, gente. Estava fuçando no youtube e vi muitos canais fazendo esta tag que achei bastante interessante. Espero que vocês gostem e comentem sobre o gosto de vocês também!

  • Qual o seu estilo musical preferido? Gosto muito de rock, é o meu preferido, mas também curto desde novinha MPB e algumas coisas pop.
  • Qual o seu cantor ou banda favorito? Meu cantor favorito é o Bono e minha banda preferida é U2, outros que tb adorooo são Skank, Aerosmith, Kaiser Chiefs, Keane, Marina and the Diamonds, Lea Michele, A-Ha
  • Qual o estilo musical você menos gosta? Eu detesto forró, o que é um problema para quem vive justo na capital do ritmo, Fortaleza. Não gosto desse forró feito com base em letras grosseiras e vazias, que exaltam apenas baladas, bebedeiras e que muitas vezes rebaixam a condição da mulher, mas tenho muito respeito pelo forró de raiz, com letras que retratam nossa cultura nordestina. Também não escuto sertanejo ( pelo mesmo motivo do forró), nem pagode e axé. :/
  • Cite uma música que te faz chorar: eu sei que sempre venho com U2 na cabeça, mas essa é tão profunda, tão perfeita, e que me marcou em momentos realmente duros, que eu não poderia deixar de citar a icônica “Bad”:
  • Uma música que marcou um momento da sua vida: Skank sempre me acompanhou desde a pré-adolescência… “Acima do Sol” me marcou muito quando eu tinha 15 anos de idade, no meu niver de 16 ganhei o CD da banda só porque sabiam o quanto eu adorava essa música!
  • Qual música você está ouvindo muito ultimamente? O novo cd da Marina and the Diamonds tá perfeito demais! “Froot” é meu vício musical de 2015, e uma das que mais gosto dele é “Blue”:
  • Cite 3 artistas de quem você gostaria de assistir um show: U2, Aerosmith, Marina and the Diamonds
  • Qual música lembra a sua infância? Uma das que entrou para a minha memória afetiva de tanto assistir aos “Goonies” na Sessão da Tarde foi “The Goonies ‘R’ Good Enough”, da Cindy Lauper 😀 ( amo aqueles tecladinhos no início)!
  • Qual música melhora o seu humor? Nunca fico de mal humor quando escuto “Good Days and Bad Days” do Kaiser Chiefs:
  • Qual seu filme preferido em questão de trilha sonora? Acho que esse é um dos meus guilty pleasures, mas eu AMO “Os Embalos de Sábado à Noite”, sei todas as músicas! ( Sim, é um dos meus filmes favoritos).
  • Qual tipo de música você gosta de ouvir quando está triste? Gosto de uma música que possa me trazer alguma ideia, alguma reflexão acerca do que estou passando naquele momento. Cito aqui “Patience”, do Guns n’ Roses:
  • Qual música você gosta de cantar em voz alta? Todas! Huahuaa Ah, eu adoro cantar, mesmo que minha voz seja horrível. Enfim rsrs. Acho que uma banda que tem um monte de músicas massa para se cantar em voz alta é o Queen; adoro “Somebody to love”, por exemplo:

Covers!

pillsof music Oi, gente! Bem, eu estava pensando: sabe quando você adora uma canção, ou, quando não gosta tanto de uma assim mas, ao ouvi-la numa versão diferente, parece que cria um novo sentido para você? Pois é. Os covers têm a capacidade de melhorar o que é bom ou de jogar uma luz sobre alguma canção e transformá-la em uma mania pros nosso ouvidos. Listei alguns covers que amo para vocês!

1- Enjoy the silence

Keane ( uma das minhas bandas preferidas) tem o dom de fazer versões de músicas que eu também adoro, mas a minha mais querida é a que eles fizeram para este verdadeiro clássico do Depache Mode.

2- Summertime Sadness

O hit de Lana del Rey ganha uma doçura melancólica maior neste cover com Megan Davies e Keelan Donovan.

3- Take On Me

Uma versão meio reggae, meio ska, meio punk, meio qualquer coisa que foi misturada e deu à icônica Take On Me, do A-Ha, ares novos, trabalho feito pelo Reel Big Fish.

4- River deep / Mountain high

Como não citar Glee em matéria de covers?! Uma das versões mais arrasadoras que a série fez de uma música, para mim, foi a de Santana e Mercedes no ep. 4×02, mandando ver na canção de Ike e Tina Turner.

5- Crazy little thing called love

A canção do Queen já é incrível com os vocais de Freddie Mercury, mas Michael Buble é um fofo e não podemos ignorar este charme, né?

6- Don’t You (Forget About Me)

Sou apaixonada pelas versões do Choir Choir Choir, mas amo esta demais! Uma das minhas músicas favoritas, este clássico do Simple Minds nunca perde a graça.

7- Dream On

Descobri as versões produzidas por este gato  cantor por acaso, e achei muito legal esta versão da sempre incrível Dream On do Aerosmith.

8- Paint in Black 

Eu amo Stones, e amo mais ainda U2, e quando os irlandeses inventam de cantar um clássico dos ingleses, é só correr pro abraço!

9- ULTRAVIOLET (LIGHT MY WAY)]

Agora, a vez de fazerem um cover do U2: essa é uma das melhores versões de música dos meus amados rockstars  que já ouvi, faz parte de um projeto em que o Killers canta uma canção na comemoração de 20 anos de lançamento do disco Atchung Baby.

10- Your Song

Amo de paixão esta versão cantada por Ewan McGregor em Moulin Rouge! Adoro, a cara da minha adolescência rsrs.

Por que eu escuto… Marina and the Diamonds!

marina morena

Hello!

Fazia tempo que não postava nada na nossa parte musical e eu pensei: bem que eu deveria fazer uma série de postagens sobre o que eu curto ouvir. Essa série se chamará “Por que eu escuto”, e quem vai estreá-la é uma das minhas cantoras favoritas, Marina and the Diamonds.

Biografia: Marina nasceu em 10 de outubro de 1985, em Abergavenny, no País de Gales ( Reino Unido). Descendente de gregos, seu nome “verdadeiro” é Marina Lambrini Diamandis, de onde ela tirou inspiração para seu nome artístico. Dona de uma voz poderosa e bem diferente do que se ouve por aí, ela ficou em segundo lugar num concurso da BBC em 2010, atrás de Ellie Goulding. Ela lançou primeiramente um EP.    marina gif pq eu quero marina

Em 2009, a jovem cantora lançou o EP ‘The Crown Jewels’. A voz marcante de Marina & The Diamonds recebeu comparações com cantoras contemporâneas, como Kate Nash e Florence + The Machine.Em 2010, Marina & The Diamonds foi apontada como uma das promessas da música pop. A jovem cantora lançou o seu primeiro álbum, intitulado ‘The Family Jewels’, e marcou presença em diversos festivais europeus. ‘Electra Heart’, o segundo álbum, saiu em 2012. Este ano, ela lança Froot, em março. (Fonte: http://www.muzplay.net/musica/marina-the-diamonds).

marina froot
O novo disco dela, “Froot”, que será oficialmente lançado neste mês de março.

Como Marina entrou na minha vida: 

Tudo começou acho que em 2012 (ou foi 2013?), quando ainda assistia à Glee e soube que fariam um número da canção How to be a heartbreaker, da Marina and the Diamonds. Acho que o nome da música me chamou a atenção, ou foi coisa do destino mesmo rsrsrs, mas a verdade é que fui atrás e acabei ouvindo praticamente tudo dela, baixando trocentas músicas e já a colocando no topo dos meus artistas preferidos.

A primeira coisa que me encantou logo de cara foi a força artística dela. Marina tem uma voz potente, marcante, é compositora e suas músicas sempre me parecem diferentes entre si. Ela manda bem em baladas, sejam acústicas, sejam marina froot 2com pegada eletrônica; toca piano, é carismática, bonita mas não naqueles padrões óbvios, tem opinião forte e seus trabalhos mostram uma sensibilidade e “uma algo mais” que me encanta. Não sou muito de escutar pop em geral, mas ela me parece diferente das demais cantoras que há por aí.

Músicas da Marina que eu amo: 

How to be a heartbreaker

Aqui, onde tudo começou, o que mais eu adoro no clipe é o fato de ela fazer os rapazes virarem objeto de desejo de quem assiste ( algo que é sempre feito com as mulheres).

Numb

Uma balada linda, melancólica, de alguém que se encontra em busca de sair de um entorpecimento.

Shampain

O clima oitentista do clipe, da letra e da sonoridade desta música são demais!

Starring a role

A versão acústica dessa música não é recomendada para quem está sofrendo não, hein? Que versão linda! Aliás, adoro as versões acústicas da Marina.

Happy

Esta também é uma versão acústica (e linda-maravilhosa), sendo que é do novo CD dela a ser lançado agora em março.

Lies

Marina e sua capacidade de estraçalhar com uma balada…

Buy the stars

Você continua comprando estrelas
E você poderia comprar todas elas
Mas não mudaria quem você é
Você continua vivendo na escuridão”

Space and the woods

Provando que é dinâmica, Marina ataca com um punk-rock de grife britânica ( ou seja, a melhor).

State of Dreaming

Amo demais! Começa lentinha e depois vai agitando até a gente cantar junto.

Hollywood

Marina critica o “american dream” e ainda manda um recado bem claro para quem compará-la a quem quer que seja:

“Oh my god, you look just like Shakira

No no, you’re Catherine Zeta”

Actually, my name’s Marina”

marina gif 1

E aí, já dá para ter vontade de escutar esta cantora maravilhosa? marina immortal

Os Melhores de 2014!

ferrisbueller-gif

Oi, gente! Chegamos ao último post do LA do ano de 2014. Ano este, aliás, que é especial para nós, para mim  e para você que o lê, porque foi em 2014 que o Livro Arbítrio se concretizou e agora está aqui, “no ar”, conquistando seu espaço, me ajudando, deixando-me dividir minhas experiências com vocês e, enfim, expandindo horizontes.

Eu concebi esta última postagem como uma compilação de todas as coisas da cultura pop e claro, da literatura, que me marcaram de alguma forma. Listarei aqui livros, filmes, séries e músicas que foram bem a cara de 2014 para mim. Vamos lá?

LIVROS: 

livros de 2014

Bem, neste ano pude ler muito mais livros, em grande parte porque fiz uma cirurgia delicada no tornozelo que me obrigou a ficar durante 3 meses de molho, e eles foram a minha maior companhia. Os livros que mais me marcaram em 2014 não foram lançados neste ano, mas o que conta para mim é a data da leitura rsrsr.

Eleanor& Park  (resenha: https://livroarbitriodotco.wordpress.com/2014/10/23/eleanorpark/foi a coisa mais deliciosa que eu poderia ter lido! Me surpreendeu muito positivamente, e com certeza, está entre os que eu mais amei ler em 2014 . O vermelho e o Negro foi um dos maiores livros que li no ano e não é do tipo de leitura rápida, mas é um clássico bem amarrado, cuja linguagem e os personagens me ganharam por completo. Eu o lia principalmente nos longos momentos de fisioterapia… ( resenha aqui: https://livroarbitriodotco.wordpress.com/2014/10/01/o-vermelho-e-o-negro/).

A outra volta do parafuso foi a primeira grande incursão que fiz pelo gênero do terror/ sobrenatural e juro para vocês, me deixou com o coração disparado! Além do fator susto, também vale a pena ser lido pela linguagem e a construção soberbas de Henry James  (link da resenha: https://livroarbitriodotco.wordpress.com/2014/10/01/o-vermelho-e-o-negro/). O Oceano no fim do caminho, de Neil Gaiman, já estava na minha lista de leitura na virada do ano e eu fiquei muito satisfeita ao lê-lo finalmente. Traz uma trama com aquela marca registrada do autor britânico, uma mistura de fantasia, realidade e acidez que prendem o leitor (resenha aqui: https://livroarbitriodotco.wordpress.com/2014/10/01/o-vermelho-e-o-negro/). A Revolução dos bichos, de George Orwel, tanto pela metáfora com a vida real como porque foi o primeiro livro que resenhei para o blog também me marcou muito (resenha: https://livroarbitriodotco.wordpress.com/2014/08/04/a-revolucao-dos-bichos/).

Filmes: 

Não assisti a muitos filmes neste ano que mereçam destaque, aliás, eu sou do tipo que precisa se “forçar” a assistir 12 anos de escravidãomais. Neste ano, destaco o vencedor do Oscar de melhor filme, Doze anos de escravidão. Eu realmente me senti tocada pala história real de Solomon Northup, um negro livre, culto, violinista, nova-iorquino, que fora vendido como escravo para trabalhar nas lavouras de algodão no sul dos EUA.

Mas outro filme que também adorei, desta vez por ser uma comédia divertida e que me fez voltar à infância, foi  Uma aventura Lego. Frenético, cheio de referências à cultura pop,  visual e ações metalinguísticos, é muito, muito legal para assistir em família ou  com os amigos.

uma aventura lego

Séries: 

hodJá faz algum tempo que estou avançando mais no terrenos das séries. Nem me considero expert nem nada, mas já tem algumas que me cativaram muito de uns tempos para cá. Nesse ano, parei de assistir Glee (não via mais sentido em continuar vendo a história sem o Finn, gente :/ ). Porém, continuei assistindo à Hart of Dixie, cuja 3ª temporada acabou no meio do ano e, apesar de ter sido a menos legal da série até agora, deixou no ar esperança por dias melhores param quem shipa Zade ( Zoe e Wade). Outra que continuei vendo em 2014 foi Orphan Black, em que o talento de Tatiana Maslany é tão arrebatador na hora de viver trocentas personagens ao mesmo tempo que conseguiu segurar uma temporada que, na minha humilde opinião, não conseguiu ser tão genial como a primeira.

orphan black

Das que estrearam neste ano, me viciei completamente em The Knick. Eu sou supermedrosa com sangue e tal (e na série as cenas são bem fortes e realistas), mas ela vai além de só mostrar como eram “diferentes” os métodos da medicinano início do século XX. Comecei a assistir por mera curiosidade, porque soube que Eve Hewson, filha do Bono, estava nela, e daí a trama me cativou por completo. #Recomendo. Também comecei a assistir à The Leftovers, mas ainda não encerrei, e agora em dezembro tomei coragem e comecei a ver Downton Abbey (e já tô me viciando).

knick

Música: 

Como vocês já devem saber, eu sou alucinada por U2, e claro que este foi um grande ano para os fãs da banda. Apesar de amargar a derrota de Ordinary Love no Oscar, eles lançaram em fevereiro o single Invisible, e em setembro, em uma campanha inédita que irritou a muitos e que encantou a outros tantos, a banda lançou seu novo disco, Songs of Innocence, de graça no iTunes. Aliás, o CD simplesmente “surgiu” nas playlists das pessoas, e teve gente que curtiu e outras que não. Eu, como fã, adorei, né? O álbum tem músicas eletrizantes, como a faixa inicial, The Miracle ( of Joey Ramone):

Outra que decidiu lançar disco este ano foi a minha diva adorada Marina and the Diamonds. Na verdade, ela ainda está soltando música por música, mas eu já amo/ sou a balada Happy:

Pitty também lançou álbum novo em 2014  ( Sete Vidas), e eu adorei Serpente:

O Coldplay também lançou um CD redondinho, Ghost Stories, e tem como não amar Magic?

E o Skank, uma banda que amo desde, sei lá, sempre, que faz parte da minha vida rsrsr, lançou o Velocia e a linda Ela me deixou não desgrudou mais da minha cabeça:

Espero que vocês tenham gostado da minha lista! Alguma crítica, sugestão? Vamos trocar ideias! Muito obrigada por estarem aqui pelo LA, e que 2015 nos traga voos maiores! Bjus! Feliz ano novo!