70 Anos de Segunda Guerra Mundial

segunda guerra mundial1A Segunda Guerra Mundial encerrou-se na Europa em maio de 1945, quando as forças aliadas conseguiram derrotar o nazismo alemão. A guerra ainda prosseguiria no Pacífico, em que EUA e o Japão lutaram até os ianques conseguirem a rendição total do império japonês ao lançar duas bombas atômicas sobre o Hiroshima e Nagasaki.

A morte de Hitler e a dominação de Berlim, no entanto, são lembrados como os marcos que puseram fim à guerra mais sangrenta da História. Foram seis anos de batalhas épicas, de “sangue, suor e lágrimas”, holocausto, chacinas, resistências. Não à toa é um período farto para pesquisas e obras artísticas até hoje, tornando-se quase fonte inesgotável, pois sempre há um ângulo ainda não explorado sobre a Segunda Guerra Mundial. A magnitude dela ainda está cravada na memória da humanidade.O LA montou uma lista de livros, filmes e séries para você que curte o assunto, assim como eu, e que deseja entender o contexto do período além dos livros de História.

Livros: 

Há um tempo têm saído vários livros que abordam a temática da Segunda Guerra Mundial, e que se tornaram sucesso, aliás. Um dos livros que mais gosto e que traz a própria Morte narrando os acontecimentos ( e sendo irônica e melancólica ao dizer que naqueles tempos trabalhara demais) é o ótimo A menina que roubava livros, de Marcus Zusak.Outro livro que também aborda a visão dos acontecimentos sob o ponto de vista das crianças é O Menino do Pijama listrado, de John Boyne, que fala sobre o terrível e abominável holocausto contra os judeus. Inverno no Mundo, de Ken Follett é o segundo volume da Trilogia O Século, e traz com uma descrição absurda ações e personagens que viveram naquela época, em várias frentes de batalha. Sentimento do Mundo, de Drummond, traz poemas que são como socos diretos no rosto de uma sociedade que agonizava com uma guerra que atingiu, realmente, a todos. Apesar de tratar de uma temática tão pesada, há um livro que consegue divertir tendo o evento como pano de fundo: o hilário Nem só de Caviar Vive o Homem, de J.M.Simmel.

livros segunda guerraCongresso Internacional do Medo

Provisoriamente não cantaremos o amor,
que se refugiou mais abaixo dos subterrâneos.
Cantaremos o medo, que esteriliza os abraços,
não cantaremos o ódio, porque este não existe,
existe apenas o medo, nosso pai e nosso companheiro,
o medo grande dos sertões, dos mares, dos desertos,
o medo dos soldados, o medo das mães, o medo das igrejas,
cantaremos o medo dos ditadores, o medo dos democratas,
cantaremos o medo da morte e o medo de depois da morte.
Depois morreremos de medo
e sobre nossos túmulos nascerão flores amarelas e medrosas. ( Carlos Drummond de Andrade)

Filmes: muitas obras cinematográficas têm a Segunda Guerra como tema. Daí vieram grandes clássicos da Sétima Arte, como Casablanca, ou outras obras que até tentaram, mas apesar do investimento e dos efeitos visuais incríveis não foramO-RESGATE-DO-SOLDADO-RYAN tão bem aclamados, como Pearl Harbor. Recentemente, inclusive, esse período esteve presente em filmes como Corações de Ferro e O Jogo da Imitação, além do filme brasileiro, que inclusive está em cartaz, Estrada 47, que narra a luta dos pracinhas brasileiros na Itália. Dentre os que mais gosto está O Resgate do Soldado Ryan, cuja cena incrível do Dia D ( o desembarque das tropas Aliadas na praia da Normandia) até hoje me parece fascinante. Também podem-se citar filmes como A vida é Bela ( quem não viu esse filme e não lembra do “buongiorno pricipessa”?); Bastardos Inglórios; A Lista de Schindler e O Pianista, dentre os muitos que ajudam a recontar esta parte da história mundial.

collagem de filmes segunda guerra

Séries: 

Da experiência e “do que gosto que tomaram pela coisa”, a parceria entre Steven Spielberg e Tom Hanks que arrasou em O Resgate do Soldado Ryan foram produzidas aquelas que são as séries mais lembradas quando o assunto é Segunda Guerra: Band Of Brothers e The Pacific. “Band of Brothers acompanha a história da “E” Easy Company, o 506º Regimento da 101ª Divisão Aerotransportada, desde o treinamento inicial da equipe, em 1942, até o final da 2ª Guerra Mundial. Com um papel primordial para a resolução do conflito, eles foram uma das unidades de maior sucesso na história militar americana.” (http://www.adorocinema.com/series/serie-306/). “Da equipe criativa por trás de Band of Brothers chega esta minissérie de dez horas reconstituindo os passos de três fuzileiros americanos naval, conforme eles lutam na Segunda Guerra Mundial no Pacífico.(http://www.vejoseries.com/the-pacific#ixzz3b5FlOgTG)

Eu assisti às duas e posso dizer que são incríveis! A veracidade em cada detalhe, as armas, os tanques, aviões, a própria caracterização dos personagens reais, tudo isso vale muito a pena de ser conferido. Também cito a série exibida no ano passado sobre as personalidades que se envolveram de forma fundamental nas duas grandes guerras, o drama-documentário Guerras Mundiais, produzidas pelo History Channel.

séries segunda guerra mundial

Maratona Literária + Tag Oscar Literário

Oi, gente!

Eu sou uma blogueira bem furona, né? Huauha

Bem, eu, que passei o carnaval todo em casa, acabei ficando doente ( não sei como). Estou com um problema no ouvido, e foi por isso que não consegui postar como foi a minha maratona literária de carnaval, que deveria consistir no que eu leria no domingo de folia. Pois bem, uma semana depois, vamos lá:

maratona

1. Eu li o conto A dama do Cachorrinho, de Anton Tchekhov;

2. Daytripper, HQ de Fábio Moon e Gabriel Bá;

3. Li o livro O Duque e Eu, de Julia Quinn.

E sim, eu farei resenha de cada um aqui pro blog, ok? 😀

Agora, vamos pra nossa tag!

 OSCAR LITERÁRIO

307373639d106337_waltz-clapping2.xxxlarge

Como sabemos, hoje é celebrada a maior premiação do cinema mundial. Eu vi esta tag em vários blogs e pensei, seria legal dar o Oscar para várias categorias literárias, né? Lembrando: só entraram na minha lista livros que li em 2014!

Melhor Livro: 

o vermelho e o negro

Eita, acho que essa foi a parte mais difícil de escolher… mas acho que foi O Vermelho e o Negro, de Stendhal.

Melhor Protagonista Masculino: park

Park, de Eleanor&Park! Como não amar este fofíssimo descendente de coreana com irlandês, geek e roqueiro?

Melhor Protagonista Feminina: 

louisa clark

Louisa Clark, de Como eu era antes de você. Adoro a forma como ela cresce ao longo da história e muda sua visão de vida.

Melhor Capa: 

A lindíssima capa de O Oceano no Fim do Caminho, de Neil Gaiman.

oceanonofimdocaminho01

Melhor personagem masculino coadjuvante: 

Manolín, o menino que ajuda o velho Santiago do livro O velho e o Mar, de Ernest Hemingway. o velho e o mar

Melhor personagem Feminina Coadjuvante:

Acho que gostei muito da Malvina, personagem que queria ter visto sendo mais explorada em Gabriela, cravo e canela.

malvina, gabriela

Melhor Figurino: 

Como não amar os vestidos que Eve Morris usa em Ligeiramente Casados? Apenas com as descrições já dá para ver que são maravilhosos!

moda 1800

Melhor Trilha Sonora: 

Eleanor&Park, inclusive vou postar de novo a playlist que fiz aqui pra vocês escutarem mais um vez rsrs:

http://8tracks.com/karla-kelvia/eleanor-park-hits#play#smart_id

E aí, gostaram?

Livros que quero ler!

menina lendo

Ano novo, época em que a gente toma várias resoluções, né?

Para quem é blogueiro literário, creio que seja quase unânime a listinha básica de livros que queremos ler. Procurei fazer uma bem orgânica, ou seja, sem nenhuma regra definida, nada de tag, nada de buscar ideia já feita antes: vou simplesmente dizer para vocês quais sãos os livros que pretendo ler em 2015 ( além dos que já estão na fila de espera, né? rsrs).

1. Crime e Castigo, de Dostoiévski:

Um clássico da literatura mundial que há muito, muito tempo, pretendo ler. Além de eu ser muito admiradora da literatura russa, é uma análise da alma humana. Enfim, é do tipo “tem que ler”!

crime e castigo

2. Reparação, de Ian McEwan                                                             

Acho que desde que ouvi falar sobre o livro e o filme desta obra fiquei fascinada pela história, e já faz um tempinho, hein? De 2015, a leitura deste livro não passa!

reparacao

3. O Retrato de Dorian Gray, Oscar Wilde

Sempre me fascinei pela história do rapaz ambicioso que não quer envelhecer, e me perguntei um dia: “por que eu ainda não li este livro?!” Em 2015, isso vai mudar!

o retrato

4. Quem é você, Alasca?, de John Green

Do John só li “A Culpa é das Estrelas” (aliás, alguém não leu esse livro?), e devo confessar, não achei tuuudooo isso. Porém, como acompanho o canal da Tati Feltrin no youtube há muito tempo, fiquei com muita vontade de ler “Quem é você, Alasca?” por ela ter recomendado como o melhor deste escritor até agora. E a premissa da história me agradou 🙂

quemevoce

5. Memórias de um Sargento de Milícias, de Manuel Antônio de Almeida

Professora de Literatura que nunca leu este livro? #ShameOnMe

Bem, mesmo não tendo lido Memórias íntegra, eu já conheço a obra de muito tempo, mas sempre tive vontade de ler tudo.

livro-memorias-de-um-sargento-de-milicias-manuel-a-almeida-13959-MLB3520692894_122012-F

6. Doutor Sono, Stephen King

Fiquei muito ansiosa para ler este livro desde o seu lançamento, e, para me preparar para lê-lo, já comprei O Iluminado, do qual ele é continuação ( mesmo já tendo visto o filme, que também é um clássico).

Doutor-Sono-695x1024

7. Mrs. Dalloway, de Virginia Woolf

Na verdade, este eu vou acabar de ler, pois há uns anos, peguei um exemplar de Mrs. Dalloway numa biblioteca mas não terminei a leitura, mas agora vai!

mrs dalloway

Os Melhores de 2014!

ferrisbueller-gif

Oi, gente! Chegamos ao último post do LA do ano de 2014. Ano este, aliás, que é especial para nós, para mim  e para você que o lê, porque foi em 2014 que o Livro Arbítrio se concretizou e agora está aqui, “no ar”, conquistando seu espaço, me ajudando, deixando-me dividir minhas experiências com vocês e, enfim, expandindo horizontes.

Eu concebi esta última postagem como uma compilação de todas as coisas da cultura pop e claro, da literatura, que me marcaram de alguma forma. Listarei aqui livros, filmes, séries e músicas que foram bem a cara de 2014 para mim. Vamos lá?

LIVROS: 

livros de 2014

Bem, neste ano pude ler muito mais livros, em grande parte porque fiz uma cirurgia delicada no tornozelo que me obrigou a ficar durante 3 meses de molho, e eles foram a minha maior companhia. Os livros que mais me marcaram em 2014 não foram lançados neste ano, mas o que conta para mim é a data da leitura rsrsr.

Eleanor& Park  (resenha: https://livroarbitriodotco.wordpress.com/2014/10/23/eleanorpark/foi a coisa mais deliciosa que eu poderia ter lido! Me surpreendeu muito positivamente, e com certeza, está entre os que eu mais amei ler em 2014 . O vermelho e o Negro foi um dos maiores livros que li no ano e não é do tipo de leitura rápida, mas é um clássico bem amarrado, cuja linguagem e os personagens me ganharam por completo. Eu o lia principalmente nos longos momentos de fisioterapia… ( resenha aqui: https://livroarbitriodotco.wordpress.com/2014/10/01/o-vermelho-e-o-negro/).

A outra volta do parafuso foi a primeira grande incursão que fiz pelo gênero do terror/ sobrenatural e juro para vocês, me deixou com o coração disparado! Além do fator susto, também vale a pena ser lido pela linguagem e a construção soberbas de Henry James  (link da resenha: https://livroarbitriodotco.wordpress.com/2014/10/01/o-vermelho-e-o-negro/). O Oceano no fim do caminho, de Neil Gaiman, já estava na minha lista de leitura na virada do ano e eu fiquei muito satisfeita ao lê-lo finalmente. Traz uma trama com aquela marca registrada do autor britânico, uma mistura de fantasia, realidade e acidez que prendem o leitor (resenha aqui: https://livroarbitriodotco.wordpress.com/2014/10/01/o-vermelho-e-o-negro/). A Revolução dos bichos, de George Orwel, tanto pela metáfora com a vida real como porque foi o primeiro livro que resenhei para o blog também me marcou muito (resenha: https://livroarbitriodotco.wordpress.com/2014/08/04/a-revolucao-dos-bichos/).

Filmes: 

Não assisti a muitos filmes neste ano que mereçam destaque, aliás, eu sou do tipo que precisa se “forçar” a assistir 12 anos de escravidãomais. Neste ano, destaco o vencedor do Oscar de melhor filme, Doze anos de escravidão. Eu realmente me senti tocada pala história real de Solomon Northup, um negro livre, culto, violinista, nova-iorquino, que fora vendido como escravo para trabalhar nas lavouras de algodão no sul dos EUA.

Mas outro filme que também adorei, desta vez por ser uma comédia divertida e que me fez voltar à infância, foi  Uma aventura Lego. Frenético, cheio de referências à cultura pop,  visual e ações metalinguísticos, é muito, muito legal para assistir em família ou  com os amigos.

uma aventura lego

Séries: 

hodJá faz algum tempo que estou avançando mais no terrenos das séries. Nem me considero expert nem nada, mas já tem algumas que me cativaram muito de uns tempos para cá. Nesse ano, parei de assistir Glee (não via mais sentido em continuar vendo a história sem o Finn, gente :/ ). Porém, continuei assistindo à Hart of Dixie, cuja 3ª temporada acabou no meio do ano e, apesar de ter sido a menos legal da série até agora, deixou no ar esperança por dias melhores param quem shipa Zade ( Zoe e Wade). Outra que continuei vendo em 2014 foi Orphan Black, em que o talento de Tatiana Maslany é tão arrebatador na hora de viver trocentas personagens ao mesmo tempo que conseguiu segurar uma temporada que, na minha humilde opinião, não conseguiu ser tão genial como a primeira.

orphan black

Das que estrearam neste ano, me viciei completamente em The Knick. Eu sou supermedrosa com sangue e tal (e na série as cenas são bem fortes e realistas), mas ela vai além de só mostrar como eram “diferentes” os métodos da medicinano início do século XX. Comecei a assistir por mera curiosidade, porque soube que Eve Hewson, filha do Bono, estava nela, e daí a trama me cativou por completo. #Recomendo. Também comecei a assistir à The Leftovers, mas ainda não encerrei, e agora em dezembro tomei coragem e comecei a ver Downton Abbey (e já tô me viciando).

knick

Música: 

Como vocês já devem saber, eu sou alucinada por U2, e claro que este foi um grande ano para os fãs da banda. Apesar de amargar a derrota de Ordinary Love no Oscar, eles lançaram em fevereiro o single Invisible, e em setembro, em uma campanha inédita que irritou a muitos e que encantou a outros tantos, a banda lançou seu novo disco, Songs of Innocence, de graça no iTunes. Aliás, o CD simplesmente “surgiu” nas playlists das pessoas, e teve gente que curtiu e outras que não. Eu, como fã, adorei, né? O álbum tem músicas eletrizantes, como a faixa inicial, The Miracle ( of Joey Ramone):

Outra que decidiu lançar disco este ano foi a minha diva adorada Marina and the Diamonds. Na verdade, ela ainda está soltando música por música, mas eu já amo/ sou a balada Happy:

Pitty também lançou álbum novo em 2014  ( Sete Vidas), e eu adorei Serpente:

O Coldplay também lançou um CD redondinho, Ghost Stories, e tem como não amar Magic?

E o Skank, uma banda que amo desde, sei lá, sempre, que faz parte da minha vida rsrsr, lançou o Velocia e a linda Ela me deixou não desgrudou mais da minha cabeça:

Espero que vocês tenham gostado da minha lista! Alguma crítica, sugestão? Vamos trocar ideias! Muito obrigada por estarem aqui pelo LA, e que 2015 nos traga voos maiores! Bjus! Feliz ano novo!