“Eleanor&Park”

eleanor e park 23

Ainda me lembro do meu primeiro semestre na faculdade de Letras em que minha querida professora Lúcia disse, em Teoria da Literatura: “vocês nunca mais poderão ler um livro do mesmo jeito”.

Se antes eu já me atentava para detalhes mais profundos, a partir dos meus estudos mais avançados em literatura e sobre o uso da linguagem em geral, é realmente impossível não deixar passar certos detalhes. Por isso que tenho minhas eleanor e park 1razões para não apreciar livro X que todos estejam amando, por exemplo. Mas, no caso de Eleanor&Park, da Rainbow Rowell, foi impossível não me apegar de uma forma quase adolescente. E isso foi fascinante.

A história consegue ser simples e complexa ao mesmo tempo: o ano é 1986, e Park é um garoto comum, de mãe asiática e com ascendência irlandesa por parte de pai. Não chega a ser popular, mas também não é nenhum loser importunado pelos pentelhos da escola. Eleanor é uma garota gorda, alta, ruivíssima e que se veste com um estilo todo próprio. Quando precisa pegar o ônibus escolar pela primeira vez, o único lugar vazio era ao lado de Park. Ele cede, ela senta. E assim nasce uma das mais improváveis histórias de amor.

A alternância do foco narrativo entre um e outro deixa a trama intimista e fragmentada, pois além dos fatos, também transparece muito do que são e o que os personagens pensam. Achei ousado e muito interessante a autora variar e tentar algo que fosse além das narrativas mais lineares em primeira pessoa ao qual muitos livros YA estão atados.

Outra coisa que acho que pega os leitores de jeito é o resgate dessa adolescência dos anos de 1980, dessa época que ainda está viva na cultura pop e mesmo os jovens de hoje têm várias referências daquela época. Outro ponto muito a favor de Eleanor&Park é que não subestima as primeiras experiências com o amor. Tudo é brutalmente real, o medo, o frio na barriga, o “não saber onde pôr as mãos”, aquela sensação de desvario ao sentir a paixão pegando em cheio…

Eleanor é uma garota que, ao contrário da família de Park, que é estruturada, vem de uma verdadeira situação de caos. Ao voltar para casa após ter sido expulsa pelo padrasto, tudo o que ela encontra é o medo estampado na mãe e nos irmãos menores, submetidos a uma vida pobre e de sacrifícios. Park institivamente parece entender o quão solitária é a vida da menina e passa a dividir com ela revistas em quadrinhos do X-Man e de Watchmen com ela, além de fitas cassetes com canções que ele escuta e das quais ela pode gostar.

eleanor e park2Daí para um amor puro e arrebatador é um pulo. Park vê na garota ruiva, sardenta e outsider qualidades que nem ela mesma sabia que tinha, sendo uma espécie de porto seguro de Eleanor que a prende à vida mesmo com o inferno que precisa viver em casa.

A família dele passa a gostar muito dela, sabendo da situação complicada da família da garota, e é entre muito rock, HQs, descobertas típicas desta fase, enlevo com o namoro e crises no relacionamento com os pais que a história de amor se desenrola.

Teve gente que disse que não gostou do final. Ok, não é romântico como se esperava, mas é autêntico, dolorido, e, mais que isso, verossímel com a trama, sendo maduro quando poderia ter muito bem escorregado no drama fácil. Enfim, lembrando da minha professora: Eleanor&Park  não é um livro que você deve ler só com o racional, porque ele também pega em cheio seu coração.

Park

Segurar a mão de Eleanor era como segurar uma borboleta. Ou um coração a bater. Como segurar algo completo, e completamente vivo.

Eleanor

Se ela tinha saudade?

Queria perder-se dentro dele. Amarrar os braços dele em torno dela feito um torniquete.

Se ela lhe mostrasse o quanto precisava dele, ele sairia correndo.

Bom, gente, como já citei na resenha, vocês sabem o quanto a música é uma coisa intrínseca á relação deles, não é? Então, eu pensei: por que não montar uma playlist com as músicas citadas no livro? Esta foi uma das partes que mais me conquistou, pois os personagens mostraram uma predileção por U2 e… bem, vocês sabem que eu sou doente fã da banda rsrsrsrs.

Estão aí: Bad ( U2), Love tear Us Apart (Joy Division), How Soon Is Now ( The Smiths) e mais! 😀

Anúncios

Faz 10 anos

faz 10 anos

Um dia desses, eu estava conversando com meus melhores amigos e nos demos conta de que já fazia 10 anos que a gente tinha terminado o Ensino Médio. Parece surreal que tanto tempo tenha passado, mesmo que todos já tenhamos estruturado nossas vidas das formas mais diversas. Uns se casaram, se separaram, casaram de novo, tiveram filhos, foram morar no exterior, já se formaram, têm trabalho, enfim, vidas e rotinas comuns para quem já está com 27, 28 anos.

Há dez anos eu tinha 18 e achava que seria advogada. Há dez anos, a novela das 9 era Senhora do Destino, Lula estava no seu primeiro mandato; tivemos Olimpíadas na Grécia, um tsunami varreu o sudeste asiático e também foi o ano de criação do Orkut!

orkut

nazaré tumblr

Como eu sempre fui muito ligada à música, me peguei lembrando de quais eu curtia na época. Eu gostava de assistir a um programa de clipes assim que chegava da escola, além de passar o dia todo ouvindo rádio; e, fazendo a playlist, percebi que 2004 foi um ano muito bom em termos musicais. Eu, que geralmente escuto mais rock, devo admitir que até o pop estava acima da média nesse ano ( tem Yeah do Usher e Toxic da Britney!). Musicalmente, também foi o ano que eu comecei a me tornar fã do U2 graças à poderosa Vertigo; além de ter sido também o ano de hits inesquecíveis da década, como This love, do Maroon 5 e Somewhere only we know, do Keane. Além do mais, eu era superfã da Avril (antes de ela parecer uma vampira que suga a juventude dos outros e fazer músicas para garotas de 12 anos).Sem falar que também foi o ano da Vagabanda na Malhação!

avril tumblr

Espero que vocês curtam minha playlist com músicas que fizeram sucesso há dez anos. Se você viveu parte da adolescência embalada por elas, aproveite; se só as conheceu depois, aproveite também, e se você ainda não as conhecia… tá na hora, elas são demais!

1. Vertigo ( U2)

2. Qual é? ( Marcelo D2)

3. Pieces of me ( Ashlee Simpson)

4. Behind Blue Eyes (Limp Bizkit)

5. I Miss You ( Blink 182)

6. Toxic ( Britney Spears)

7. This Love ( Maroon 5)

8. Equalize ( Pitty)

9. Don’t tell me ( Avril Lavigne)

10. My Happy Ending ( Avril Lavigne)

11. Vou Deixar ( Skank)

12. The Reason ( Hoobstank)

13. Yeah ( Usher)

14. Somewhere only we know (Keane)

15. Você sempre será ( Marjorie Estiano)