Resenha de “Ridículas Cartas de amor”

ridiculas cartas de amor3

Oi, gente!

Vou resenhar hoje o livro de contos Ridículas Cartas de Amor, da Darda Editora. Ele consiste em um compilado de contos escritos por autores novos ( e muito promissores), uma das quais é minha amiga mais que linda Nina Spim. O exemplar que li  “viajou” pelo Brasil para que várias pessoas de lugares diferentes pudessem lê-lo e resenhá-lo. Adorei a ideia, aliás, e estou aberta a outra experiência assim!

Ridículas Cartas de Amor é composto por múltiplas histórias de amor, desde as que dão certo ridículas cartas de amor2como aquelas que ficam no “quase”. O melhor de tudo é que são também bem democráticos: há poliamor ( como no primeiro conto, “Hashtag”, de Mariana Sgambato, um dos que eu mais curti), amor entre mulheres, amor entre homens e entre homens e mulheres.

Todos os contos são delicados, constroem personagens que poderiam ser eu, você, um dos nossos amigos. Gente que sente, sofre, ri, que precisa abrir-se ao amor ou deixar um partir. Como traz vários autores que estão despontando agora, dá para perceber que alguns já têm seu estilo mais bem definido, outros ainda estão tateando sua narrativa. Os que mais gostei de ler, além de Hashtag, foram:

– “No silêncio de um retrato”: da minha amiga, Nina Spim. É delicado e agridoce, pois acompanhamos o olhar e as lembranças de uma fotógrafa que se apaixonou por uma garota que conhecera numa tarde fria e inspiradora; aqui, no entanto, o amor se torna apenas uma lembrança perpetuada numa foto.

– “O livro esquecido”: um rapaz observa uma moça que sempre senta à sua frente no metrô; ela lê bastante e, um dia, esquece um livro do Fernando Pessoa no banco, despertando a curiosidade e acelerando os batimentos cardíacos dele. Conto de Priscila Louredo;

– “Doloroso, difícil, devastador”: dois garotos se conhecem ainda meninos e se apaixonam. O primeiro amor vira um relacionamento adulto, maduro, responsável…e é aí que vem a pergunta: será que o amor é só isso? Essa tranquilidade? E a loucura? A paixão correndo nas veias? Achei legal haver estes questionamentos acerca do que a gente quer quando ama alguém.

ridículas cartas de amor1Os outros contos me agradaram, mas me parecem menos consistentes. Há um que destoa um pouco dos outros pela temática meio “seriado americano” e que soou superficial em abordar uma problemática ( “Entre duas vidas”). Os outros foram mais “ok”, sendo corretinhos, mas talvez lineares demais. Talvez, nestes, eu complementaria o final ou daria algum tempero no meio. Enfim, Ridículas Cartas de Amor foi uma surpresa muito agradável. Muito bom ler gente nova, com muito a oferecer e receber visões tão diferentes de como viver o amor, como encarar seu fim, seu meio ou seu começo.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s