Crônica: Sobre esperas

Bem, gente, hoje a postagem é um pouco diferente do que venho fazendo aqui no blog. Eu adoro escrever, mas o tempo puxado muitas vezes não me deixa mais organizar minhas ideias da forma como eu gostaria ( porque eu não sou perfeccionista em nada na minha vida, a não ser com as coisas que escrevo). Mas eis que me veio uma luz e, além desta crônica ter me surgido na mente, também me veio uma vontade de inserir estes meus escritos aqui no blog. Provavelmente, o básico do LA sempre serão as resenhas, mas eu gostaria de, nem que fosse de vez em quando, dividir estes meus pensamentos com quiser der uma passadinha marota aqui 😉

esperando

Sobre esperas

Passamos a vida esperando por algo que talvez possa nos levar além. Tudo tem a tendência de ficar melhor no futuro, se a gente esperar mais…

A pessoa certa, o emprego dos sonhos, a casa bacana e bem decorada, e até nós mesmos. Sabemos que no dia posterior seremos mais sábios que no de hoje… e assim, vivemos esperando.

Esperando por um sim, por uma promoção no trabalho, por um sorriso, por uma mensagem que nunca chega, por desculpas nunca pedidas, por gratidão nunca recebida. E por que esperar tanto?

Pode ser medo. Não querer se arriscar é mais fácil que sair na chuva, que botar a cara no sol, que sair no tapa, se assim tiver que ser, para conseguir algo que se queira muito.

Pode ser apenas a necessidade de se sentir seguro, pois, afinal de contas, o seguro morreu de velho, e, provavelmente, de tédio. Para quê sair procurando alguém ou algo que possa me fazer feliz? Para quê essa pressa? Será que é mesmo que o que é do homem ( ou da mulher) o bicho não come?

Acho só que cansei de esperar. Vai ver que nada do que eu achava que viria nunca vai vir, simplesmente porque as coisas não brotam do nada, mas sim precisam ser construídas, fomentadas. Como vou receber o melhor se não investi para ter este retorno? Como vou esperar se não sei nem direito o que quero? Posso esperar por algo, vem outra coisa e, por já ter perdido tanto tempo, ficar com aquilo mesmo, conformando-me?

Não virei corajosa de uma hora para outra, nem vou enfrentar tudo de peito aberto sem medir as consequências. Mas, sabe aquela sensação que muitas vezes você sente quando é muito novo, de que fazer isso ou aquilo é errado, ou é perigoso, e quando você cresce, esta sensação torna-se ridícula? Pois é. Não existem príncipes, meninas e meninos que esperam por tal, nem princesas, meninos e meninas que também esperam por tal. Não existe ninguém perfeito, nem emprego perfeito, nem a batida perfeita ( porque em algum momento as coisas destoam e você tem que se virar com o que sabe fazer). Só espere menos e faça mais agora.

O melhor do caminho não é o final, mas sim percorrê-lo… por exemplo: ir cantando no carro um velho rock em coro com seus amigos pode ser a melhor lembrança de uma viagem do que propriamente o destino final, não é?

Anúncios

2 comentários sobre “Crônica: Sobre esperas

  1. Gosteei!

    E realmente, a gente seeeeempre acha que no futuro vai melhorar kkkk já imaginei taanta coisa pra esse ano e bulhufas aconteceu hahahaha maaas tamo aí vivendo… o que tiver que ser, será

    Bjss

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s