Escritoras – traços das mulheres na literatura

mulher com máquina

Hoje é o Dia Internacional da Mulher e, enquanto muitos encaram esta data como simplesmente um dia de oferecer uma rosa ou dar um beijo em alguma mulher especial da sua vida, outros, como eu, encaram o 8 de março como uma chance de ampliar as discussões acerca dos direitos e da representação da mulher na sociedade.

Como o LA é voltado, basicamente, para a literatura, acho que hoje, aqui, cabe uma homenagem, e também uma reflexão sobre mulheres que brilharam, que inspiraram, que batalharam para ter seu valor reconhecido nas letras.

bronte-sisters1
Irmãs Brontë
jane austen
Jane Austen

Como um reflexo da sociedade, sempre foi difícil para as mulheres alcançarem notoriedade na literatura. A diferença entre o número de escritores homens e de mulheres é abissal. Mesmo assim, nadando contra esta maré, contribuíram decisivamente para a literatura nomes inesquecíveis como Jane Austen e as irmãs Brontë. No Brasil, a primeira mulher a entrar na Academia Brasileira de Letras foi Rachel de Queiroz, isso apenas em 1977. Para se ter noção, Rachel ( cearense como eu) lançou seu primeiro livro, O Quinze, um dos clássicos da Segunda Geração da literatura moderna brasileira em 1930! Aliás, ela também foi a primeira mulher a ganhar o prêmio Camões, o maior da Língua Portuguesa, em 1993.

raqueldequeiroz
Rachel de Queiroz
Simone de Beauvoir
Simone de Beauvoir

A partir do século XX, assim como Rachel, outras grandes escritoras surgiram e se tornaram referência com suas

estilísticas, seja no exterior, como Virginia Wolf, Katherine Mansfield,

Virginia Wolf
Virginia Wolf

Elizabeth Bishop, Anaïs Nin, Silvia Plath, Simone de Beauvoir e claro, a conhecidíssima, Agatha Christie, seja nacionalmente.

Daqui, como não citar Clarice Lispector, Lygia Fagundes Telles, Adélia Prado, Cecília Meireles, Ana Miranda, Hilda Hilst, Ana Cristina César? Também temos Cora Coralina, Ana Maria Machado, Giselda Laporta Nicolellis…

clarice lispector
Clarice Lispector

Das escritoras contemporâneas, eu posso citar como minha preferida J.K.Rowling, de quem sempre admirei a escrita e a própria trajetória de vida até se tornar o mito criador de Harry Potter. Também ando curtindo muito Jojo Moyes e Gillian Flynn, e acho que a Suzanne Collins, de Jogos Vorazes é muito boa.

J. K. Rowling
J. K. Rowling

Como uma pessoa que sempre teve nos livros uma das bases de sua vida, que sempre leu e escreveu e fez do estudo da língua o seu trabalho, eu me sinto orgulhosa por tudo o que as mulheres representam na literatura, mas sei que podemos alcançar muito mais. Enquanto meninas ainda precisarem se prostituir, ou enveredar pelas drogas; enquanto garotas ainda precisarem virar empregadas domésticas na mais tenra idade ou quebrarem castanhas a 30 centavos o dia para sobreviverem e não tiverem acesso à educação, ainda estaremos perdendo ( em todos os sentidos) esse jogo.

Anúncios

11 comentários sobre “Escritoras – traços das mulheres na literatura

  1. Excelente homenagem! As escritoras começaram no mundo literário com desvantagem, mas logo alcançaram seu posto, sem ter que usar pseudônimos ou ter uma história rejeitada somente por serem mulheres.

    Curtir

  2. Karla, concordo contigo. Sou adepta de que esse dia é pra enfatizar a importância da reflexão e discussão e mostrar como estamos acordadas e de olhos bem abertos. Com mangas arregaçadas e incansáveis pra lutar contra a dominação machista e descriminatória que ainda é muito evidente na nossa sociedade. Adorei ver tantas autoras importantes e incríveis nesse post. Há várias que ainda não li, Virgina Woolf, por exemplo. Ganhei da minha mãe um box com uns 5 livros dela há alguns (muitos) aniversários atrás e acabei não me aventurando em nenhum ainda. Acho que fico com pé atrás de tentar ler e não entender nada, já que sua escrita é bem densa. Agora, Agatha Christie e J.K. Rowling fizeram parte da minha adolescência e seguem participando da minha vida adulta. É importante lembrarmos dessas mulheres criativas e cheias de talento que seguem buscando seu espaço e reconhecimento. Beijo!!!

    Curtir

  3. Oiii Karla!
    Também tenho ficado mais atenta para fazer mais leituras de mulheres autoras, e muitas delas são realmente magníficas!
    Obrigada por este post necessário!
    Feliz Dia da Mulher, e continuemos a luta!
    Beijão!

    Curtido por 1 pessoa

  4. Oi, Karla! Adorei a postagem! O Quinze, da Rachel, está na minha lista de Desafio Clássicos. Realmente, Jane Austen e as irmãs Brontë foram um super marco. Acredito que desde sempre leio muito mais a literatura produzida por mulheres, acho que é sempre uma grande inspiração. Mesmo que muitas sejam de outras épocas, é impossível não se identificar, pois mulheres somos todas e sempre carregamos algo em comum. Descobri esses dias que a primeira romancista brasileira foi a Firmina dos Reis, que representava bastante a cultura afro-brasileira. O primeiro livro dela, “Úrsula”, data de 1859. Sem contar que, nessa semana, na minha aula de Leituras em Jornalismo, fiquei sabendo que existiu uma revista feminista chamada A Mensageira que foi pioneira no Brasil. Ou seja, as mulheres sempre estiveram em muitos âmbitos, embora os homens, até hoje, tentem “apagar” isso.
    Beijos!

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s